• Categorias
  • O Elevador



    Bom, esse realmente não era o melhor adjetivo para definir o dia de Eduardo. Sua esposa havia pedido o divórcio, o trocou por seu personal trainer que tinha vinte anos a menos e uma quantidade considerável de músculos a mais. O pior era que ele fora o único surpreendido pela situação, o último a saber, bem clichê. Seu carro foi roubado um dia depois da data de vencimento do seguro e seu chefe, de quem ele esperava uma boa promoção, o demitiu, “Corte de pessoal” ele disse, Eduardo preferiu não discutir, em casos assim não há muito que se fazer.
                    
    Com uma caixa preta nas mãos ele entrou naquela que agora era sua antiga sala e foi guardando seus pertences, não era muita coisa, só algumas pastas, canetas e um porta-retratos com a foto de sua ex-esposa. Ele amassou a imagem e jogou na lixeira que ficava ao pé da mesa antes de guardar o objeto. Pegou também um porta-copos que pertencia à empresa, “Prejuízo. Tenho que me vingar desses otários.”, sem admitir que na verdade lhe faltava coragem suficiente para fazer algo que fosse realmente relevante.
                    
    Passou pelo corredor, deu adeus à sua antiga secretária, uma mulher discreta e contida, os dois tinham contato físico apenas duas ou três vezes ao dia quando ela vinha lhe trazer um café ou entregar algum documento importante. Era um rosto amigo no meio do ninho de cobras no qual aquela empresa havia se transformado nos últimos anos.
                   
    Entrou no elevador sentindo o peso que era apertar aquele botão pela última vez, e do outro lado alguém gritou “Segure a porta.”, a voz era familiar, mas não pôde materializar o rosto até que a porta se abriu e então surgiu Ella, sem dúvida alguma a assistente de RH mais gostosa que já havia passado por aquele lugar. Eduardo sempre teve uma queda por aquela mulher, mas nunca admitiu o fato nem mesmo para seus colegas de trabalho, sua ex-esposa sempre foi muito ciumenta, o que fez com que ele também nunca tivesse cogitado a possibilidade de tentar uma investida.
                    
    Quando os dois estavam ali parados, esperando o elevador chegar ao térreo, ele refletiu sobre sua vida, o nada que ela era agora e a nenhuma perspectiva de crescimento que existia. Não tinha nada a perder, nada a ganhar. “Ella, você quer sair comigo?”, ela deu um largo sorriso e respondeu, “Achei que você nunca ia me pedir isso.”. É, pelo visto aquele dia não seria tão ruim assim.
    COMENTÁRIOS DO FACEBOOK
    COMENTÁRIOS DO BLOGGER

    1

    1. Texto ótimooo.. quero maaais, adoro seus textos.. QUERO MAAAIS *__* Parabéns'

      ResponderExcluir



     
    Copyright © Blog da Vanessa | Todos os direitos reservados | Desenvolvimento por VR DESIGN :: VOLTE AO TOPO