• Categorias
  • Epifania: Desde Que Você Se Foi


    Abri os olhos sabendo que seria mais um dia sem você, sem coração saltitante, sem beijinho de despedida, sem graça nenhuma. Faz três semanas que o avião cruzou o céu acima de mim, te levando pra qualquer lugar frio lá do sul desse país. Cê sabe que eu sou dessas que enche o peito pra esbravejar que o Brasil é lindo, que temos potencial pra ser de primeiro mundo e essa patifaria toda de gente patriota. Mas em todos os discursos que eu fiz, nunca falei sobre o tamanho dele, digo em distâncias numerais mesmo, jamais tinha notado o quão grande ele pode ser.  E agora eu passo noites inteiras pensando em como ele é grande o bastante pra me impedir de juntar umas notas de 50 e ir pro seu aconchego no final de semana.

    Quando você decidiu fazer aquela prova, me deu um aperto no peito e eu me vi obrigada a  refletir sobre a possibilidade de não te ver todo dia, mas parecia uma coisa tão distante que eu te apoiei mesmo com uma pitadinha de medo. Te ajudei a estudar cada formula (mesmo sendo péssima com números). Eu engoli cada festa, cada final de semana de sol pra ficar dentro do seu quarto, repassando tantos teoremas diferentes que acabei me tornando profissional neles (cê sabe que é mentira, nunca vou conseguir entender aquilo). Agora me pergunte: por que sua anta? Por que você deu apoio pra o amor da sua vida ir pra tão longe? Inocência, eu respondo. Imaginei que você estando feliz, fazendo a faculdade dos seus sonhos, se tornando o engenheiro que seus pais arquitetaram junto contigo, me deixaria feliz o suficiente  e a saudade se transformaria em  orgulho, facilitando tudo, assim desse jeito que você faz química parecer coisa de primário. Mas facilitar é pra você, eu dificulto sempre.

    Resolvi te escrever por que eu te olho assim na tela do computador e não sinto seu calorzinho, não consigo relaxar e conversar direito, eu te vejo e sinto mais vontade de chorar, sinto mais angústia por não ver o seu olho brilhando, sinto uma saudade que não cabe em lugar nenhum, nem aqui dentro.
      
    A tua falta tá criando umas raízes no meu coração sabe? No primeiro dia eu senti apenas saudade de você, pessoa física e emocional na minha frente. Mas cada dia que passa eu lembro de outra coisa, e essa coisa vai puxando outras, criando essas raízes que eu falei. Hoje cedo mesmo, lembrei que todo final de mês sua mãe fazia cocada e você trazia um pedaço embrulhado num papel vermelho. E eu chorei. Eu nem gosto tanto de cocada, cê sabe.

    Percebi que te amo mesmo. Cada partícula de oxigênio que emana dos seus pulmões, eu amo. E sinto uma falta danada. E tô escrevendo só pra você saber, não pra querer desistir. Eu te quero sim, mas quero inteiro. Gasta todos os seus neurônios por aí, constrói o seu futuro e volta. Quero ser o transbordar da sua felicidade, quando não caber mais conquistas dentro de você, volta. E quando voltar, não vai mais não tá? Volta e fica.

    Hoje, só tua presença vai me deixar feliz, só hoje...
    Jota Quest- Só hoje


    Débora tem 20 anos e acha que toda dor pode ser curada com um punhado de palavras. Tem mais fé do que coragem, se apaixona e desapaixona na mesma velocidade que troca de cor favorita. Gosta de música alternativa, filmes que ninguém entende e tardes ensolaradas. Prefere as pessoas leves e tem preguiça de quem tem o ego como bichinho de estimação. A indiferença é a sua armadura de ferro pra aguentar gente vazia, amores mal resolvidos, e desilusões do dia a dia. E escrever amigos, é a chave que mostra quem essa mulherzinha durona é de verdade. Como diria Martha Medeiros, ela é o que é, uma imperfeita bem-intencionada que muda de opinião sem a menor culpa.

    Deu vontade de ler mais textos dessa garota super talentosa? Que por sinal é diva até na hora de escrever a descrição. É só entrar lá no No meio das linhas. Garanto que é satisfação garantida <3


    ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


    A seção Epifania tem o objetivo de divulgar textos de outros autores. Para participar, basta enviar seu texto para o e-mail blogvanessacorreia@gmail.com. O tema é livre e o título da mensagem deve ser Epifania + Seu nome + Título do post. Envie o conteúdo do post no corpo do e-mail acompanhado por uma breve descrição sobre você.
    COMENTÁRIOS DO FACEBOOK
    COMENTÁRIOS DO BLOGGER

    0

    Postar um comentário



     
    Copyright © Blog da Vanessa | Todos os direitos reservados | Desenvolvimento por VR DESIGN :: VOLTE AO TOPO